Políticos e estadistas

(O Estado de S.Paulo, 25/12/2017)

ruy altenfelder 52No próximo ano teremos eleições quase gerais: presidente da República, dois terços do Senado, Câmara dos Deputados, governadores dos Estados e Assembleias Legislativas. É momento mais do que propício para reflexão e cobrar postura clara, geral e irrestrita em favor da ética.

Os eleitores terão em seu poder a mais poderosa arma que a democracia oferece: o poder do voto. Do voto consciente. É o momento de elegermos estadistas, os que pensam nas próximas gerações. É o momento de não escolhermos os que pensam só na próxima eleição.

Os princípios éticos são fundamentos importantes para nortear as ações das pessoas num país que se pretenda verdadeiramente democrático e justo. Não se trata de uma sociedade utópica, como a construída por Thomas Morus, mas de práticas perceptíveis e necessárias, porém esquecidas nos dias atuais.

O Brasil de 2018 precisa de estadistas que pensem nas próximas gerações e assumam posições claras e éticas em prol da reforma da Previdência.

O Regime Geral de Previdência Social, destinado aos trabalhadores do chamado “andar de baixo” – os das empresas privadas –, com mais de 100 milhões de participantes (70,1 milhões de contribuintes e 30,5 milhões de beneficiários) sofreu um déficit de R$ 149,7 bilhões. Em 2016 o Regime Próprio da Previdência Social, destinado aos trabalhadores da “primeira classe”, os servidores públicos, com apenas 9,9 milhões de participantes (6,3 milhões de contribuintes e 3,6 milhões de beneficiários), produziu um déficit de R$ 155,7 bilhões (déficit per capita por participante de R$ 15.727,27, ante R$ 1.512,27 do setor privado!

Será que não bastaria olhar o futuro do País e assumir atitude de estadistas, olhando para as próximas gerações?

Ao acompanhar diariamente o noticiário veiculado por este tradicional periódico, não são raras as vezes que o leitor se depara com relatos de denúncias de corrupção, desmandos e abusos de autoridades em diferentes níveis e de mau uso do dinheiro público – ações essas que remetem claramente a questões de desvios éticos e morais.

Um dos antídotos mais eficazes para essa ameaça letal à liberdade, à democracia e à civilidade é a educação. Tanto a que aprendemos dentro de casa, desde os primeiros anos de vida, com os pais, como também – e principalmente – a transmitida na escola, por mestres na melhor acepção da palavra.

Quando se incutem na criança e no jovem tais conceitos, eles os seguirão na idade adulta – pautando desde os pequenos atos do dia a dia até os grandes momentos do exercício da cidadania. A esmagadora maioria dos cidadãos deve decidir votar movida pelo interesse maior do País, e não por anseios pessoais ou corporativistas.

É o momento mais do que propício para pôr essa questão em debate e cobrar uma postura clara, geral e irrestrita em favor da ética.

A ética está acima da moralidade. É, na verdade, um valor inerente aos direitos e deveres dos cidadãos. Mas não um valor que nasce por geração espontânea. Ao contrário, resulta de decisão individual refletida e seguida de uma prática vigilante e diuturna. Aristóteles, com toda a sua sabedoria, já dizia, na Antiguidade clássica, que “nenhuma das virtudes morais surge em nós por natureza, adquirimo-las por exercício”. Não é descabido associar a crescente onda de violência que marca as ruas, vem invadindo os muros escolares e estimula a formação das verdadeiras gangues de bairro ou de torcidas organizadas.

Os frutos? Ações e ilícitos que configuram desrespeito contínuo à lei e à ordem jurídica, denotando a rarefação dos parâmetros de convivência civilizada em sociedade.

Os professores têm papel fundamental na formação dessa juventude que dirigirá a economia e conduzirá o desenvolvimento do País nos próximos anos. Com exemplo e coragem, devem mostrar a seus alunos a importância da aceitação de limites, dos valores – solidariedade, compromisso, honestidade, estudo, trabalho – e do respeito às normas e aos princípios que deles decorrem. Isso vale tanto para o relacionamento entre chefia e subordinados no mundo corporativo como para professores e alunos em sala de aula, ou pais e filhos na convivência familiar.

E o professor – esse profissional pouco valorizado pela sociedade, negligenciado pelo poder público e desrespeitado por pais e alunos, sem formação adequada e com remuneração quase tão baixa quanto a sua autoestima – é um pilar importante para propagar esses conceitos. Por tudo isso, merece ter o seu papel resgatado por todos e cada um em particular – afinal, esse processo se enquadra nos casos em que, pelo valor da emulação, o total poderá ser maior do que a soma das partes.

A Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) estabelece que a escola deve ser um local de formação de cidadãos e difusão de valores que inspirem cidadania e ética. Mas para que ela realize a missão de formadora de novas gerações é necessário que o governo e a sociedade também a consagrem como espaço da ética, resgatando a autoridade dos mestres e colaborando para o aprimoramento de suas relações com a comunidade, os pais e os alunos. Até porque disseminar os princípios éticos na escola é, antes de tudo, garantir uma sociedade mais justa e mais humana para as novas gerações.

O ano de 2018 está chegando. Ano de eleições. Momento de separar o joio do trigo. Hora de elegermos estadistas para todos os cargos públicos, deixando de lado os políticos que apenas pensam nas próximas eleições.