Crime Eleitoral e Crime comum

O artigo 109, inciso I, da Constituição Federal, assim expressa:

Aos juízes federais compete processar e julgar:

I – as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho.

Resta evidente tratar-se também de crimes comuns e a ressalva da competência para a Justiça Eleitoral, dos crimes eleitorais, oferecida pela Constituição Federal.

1 dirceo b3c8aO artigo 121 do texto Maior, afirma que: “Lei Complementar disporá sobre a organização e competência dos tribunais, dos juízes de direito e das juntas eleitorais”. Esta Lei Complementar é o Código Eleitoral, Lei nº 4.737/65, que assim expõe em seu artigo 35, inciso II: “Compete aos Juízes:...processar e julgar os crimes eleitorais e os comuns que lhe forem conexos, ressalvada a competência originária do Tribunal Superior e dos Tribunais Regionais”. Verificamos que além dos crimes eleitorais, acrescentou os comuns conexos aos mesmos. Todavia, assim como a Lei Magna ressalvou a competência da Justiça Eleitoral para crimes eleitorais, a Lei Complementar também o fez em relação à competência originária dos Tribunais Regionais, ainda que conexos. Como verificamos, os crimes comuns, conforme artigo 109, I, exposto acima, são de competência originária dos juízes federais, embora sem a expressão, previstos no Texto Magno e na Lei Complementar em sua ressalva. A interpretação sistemática dos diplomas Constitucional e Infraconstitucional, esclarece as dúvidas e conduz ao entendimento que a competência para a Justiça Eleitoral é para crimes eleitorais , abuso do poder econômico, artigo 14, § 9º, influência no voto, transportar eleitores, propaganda na hora do voto, etc. A competência para os crimes comuns, tal como o Caixa 2 é da Justiça Federal.

Mas o que é crime eleitoral, juridicamente, em relação ao Caixa 2 e porque caixa 2, se existe o caixa 1 e todas contribuições poderão ser contabilizadas se honestas?

O artigo 299 da Lei nº 4.737/65 – Código Eleitoral diz: “Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita”. Pena-reclusão até 4 anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa”. Verificamos que o crime eleitoral está vinculado ao obter ou dar voto. À evidência contribuições são para esse fim e poderemos dizer tratar-se de crime eleitoral, se for o caso e os atos antijurídicos, inerentes, são conexos. Há mais, aqueles valores recebidos para campanha, em parte o são, entretanto acrescidos e muito, cujo destino é propina para os políticos. Este é crime comum conexo com o eleitoral. Porém, existem outras condutas afastadas dos votos, mas que utilizam os partidos unicamente para lavagem do dinheiro. São propinas, cuja origem é o caixa 2, destinam-se aos partidos que encaminham aos interessados, através de gráficas irregulares, notas falsas e outros meios. Como corolário temos crimes eleitorais com suas conexões e outros comuns. Os primeiros da competência da Justiça Eleitoral e os outros da Justiça Comum e a ela devem ser enviados. Vale salientar que conexos exigem assuntos conexos, juntos simultaneamente, ligados.

Importante para o entendimento, o esclarecimento da origem do caixa 2, sua ilicitude, o destino dos recursos para os partidos e dos partidos para campanha, nesta o que foi utilizado legalmente, os excessos beneficiando candidatos, criminalmente, e o que transitou diretamente pelo partido para os políticos sem qualquer relação com o sistema eleitoral.

Pelo exposto, juridicamente, de uma forma ou outra, conexos ou não, os crimes comuns são da competência da Justiça Federal.

Dircêo Torrecillas Ramos

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.